Moda e Styling

As nossas alunas

Terminou o primeiro curso de modelos na Fashion Studio Lab! Ja partilho convosco as fotografias finais das nossas alunas. para já fiquem com um mini video, feito pela empresa The Box- Studio17

http://

Curso de modelos

O primeiro curso de modelos na The Fashion Studio lab terminou este domingo e que saudades vou ter das minhas 8 alunas! Foram dois meses com muita formação, muitas dicas, muita exigência. No ultimo domingo fotografamos as 8 new faces com a equipa The BOX – Studio 17, com o Hairstylist Ricardo Vitoriano e os seus alunos, e a ajuda preciosa de Patrícia Ribeiro.

As inscrições para o curso de verão estão abertas.

12965968_898802666885670_1155924762_n 13310588_613340955508178_7718048309066044414_n 13315291_613340912174849_8218548553522547054_n 13315749_613340925508181_243343714332193411_n 13335957_10154368734327847_151612470938514603_n

novo Artigo Notícias Magazine

Colaborei em mais um artigo do Notícias Magazine.

DIZ-ME O QUE VESTES, DIR-TE-EI QUEM ÉS

Por: Ana Pago 17/04/2016 – 10:32
Ilustração Filipa Viana/WHO

Psicologia da moda
Somos a única espécie que se veste, todos os dias, com uma roupa diferente. Por ela corremos quilómetros nos saldos (o triplo dos que maldizemos no ginásio). Batemo-nos como leões por aquela peca sem a qual não conseguimos, em absoluto, viver. Sonhamos, criamos códigos sociais, compensamos vazios. Comunicamos com o mundo, quer vistamos sempre da mesma maneira – dois pares de jeans e três camisas ate ao fio – quer usemos vermelho da cabeça aos pés – muito bom para ser notados mas péssimo, por exemplo, numa primeira entrevista de emprego. Afinal, o que e que a roupa esconde nas suas dobras? E porque fazemos estas escolhas? O que dizem de nos? E o que diz a psicologia dos seus efeitos em quem a veste? E em quem nos vê assim?

«O que vestimos afeta o modo como nos comportamos, sim. Quem nunca se sentiu mal numa roupa de que não gosta assim tanto? Quem não se sentiu poderoso numa peca impecável que lhe cai que nem uma luva?», questiona a stylist Sandrina Francisco, especialista em marketing de produtos e serviços de luxo. Propor mudanças de visual a clientes ensina-lhe que a roupa tem o poder de os tornar confiantes, sexy, inseguros, deslocados, atrevidos, criativos, divertidos, inseridos num grupo. «Muitas vezes aposta-se apenas no efeito nos outros quando, em primeiro lugar, devíamos Vestir-nos bem para nos sentirmos melhor ainda e só depois para agradar aos demais», insiste.

Um estudo de Emily Balcetis, publicado no jornal Psychological Science, dá razão a Sandrina: vestindo com gosto, qualquer que seja a nossa escolha, a segurança aparece. Para a experiência, a psicóloga pediu a um grupo de alunos que fizesse um percurso movimentado dentro do campus da Universidade de Ohio, nos EUA. E não foi branda: uns levariam a roupa habitual; os outros tinham de se vestir de Carmen Miranda, incluindo sutiã e chapéu com frutos de plástico. No final, o caminho pareceu infinito aos disfarçados – exceto a uns poucos que encarnaram a personagem com prazer e, assim, mantiveram a confiança intacta.

«Muita gente compra roupa apenas porque está na moda, por ser de certa marca, porque o marido (ou mulher) gostou, porque os amigos usam, porque querem mostrar o corpo, mas a ideal é a que nos faz sentir bem», diz Sandrina.

A psicóloga inglesa Karen J. Pine concorda: ao escrever o livro Mind What You Wear: The Psychology of Fashion [Preocupa‑te Com o Que Vestes: A Psicologia da Moda, numa tradução literal, sem edição em português] apurou que a sensação de confiança é o principal motivo para escolhermos o que vestimos, seguida da comodidade e da expressão da personalidade, da moda e do aspeto profissional. Só depois surge o chamar a atenção, o parecer sexy e o mostrar o corpo.

Em relação a este ponto específico, a psicóloga americana Barbara Fredrickson, da Universidade da Carolina do Norte (Chapel Hill), descobriu que as mulheres são piores a resolver problemas matemáticos em biquini do que vestidas (nos homens é indiferente). Sentindo-se observadas, preocupam-se com a avaliação que podem estar a fazer delas e desperdiçam recursos mentais.

Um outro estudo realizado por Adam Galinsky, professor da Universidade Northwestern em Chicago, concluiu que a influência da roupa depende em grande medida do seu significado simbólico (aquilo a que chama de cognição incorporada): se nos pedirem para desempenhar uma tarefa cognitiva complexa e nos derem uma bata branca dizendo que é de um médico, cometemos metade dos erros do que se pensarmos que a mesma bata pertence a um pintor.

«Vestir‑se bem não é mais do que procurar peças e composições que estejam de acordo com a vida da pessoa, o biótipo e a sua personalidade», aponta Danyla Borobia, psicóloga e consultora de estilo em São Paulo. No seu caso, por razões de formação, a vertente comportamental do aconselhamento é muito forte. Impossível ajudar alguém a usar a roupa a seu favor sem ensiná‑lo, primeiro, a conhecer‑se e a trabalhar a autoestima. «É importante valorizar o corpo, mas também perceber as prioridades da vida – o tipo de trabalho, as atividades físicas, se tem filhos – e as da alma, que são os nossos gostos pessoais e sensações que vamos buscar à roupa.»

Compor um look é falar sem palavras. O difícil é conciliar o que queremos transmitir com o que o mundo efetivamente percebe. «Estamos sempre a passar mensagens à nossa volta.»
A chamada de atenção é sublinhada por Raquel Guimarães, diretora da Fashion School, no Porto. «O que vestimos está carregado de simbolismos que os nossos pares aceitam ou rejeitam. Vestir é comunicar», diz a formadora, especialista em imagem no contexto profissional/empresarial.

Pesquisas indicam que trinta segundos bastam para formarmos uma impressão do outro. A escolha de corte, estilo e cores gera influência. «Todos os dias projetamos uma imagem e essa comunicação não verbal inclui o vestuário, a postura, a linguagem corporal e microexpressões, tudo integrado. Um corte mais atual, por exemplo, levará à aferição de que somos atualizados, bem remunerados, tecnológicos.»

Daí devermos vestir-nos para nós e os outros em simultâneo, avisa, tal como adequamos o discurso às diferentes pessoas com quem nos cruzamos. «Temos de moldar a imagem aos vários contextos pessoais e profissionais, sem esquecer a nossa zona de conforto.»

O próprio escritor Umberto Eco, doutor honoris causa em comunicação, garante na obra Psicologia do Vestir que o vestuário não se cala nem consente: «Fala o facto de eu me apresentar no escritório de manha com uma gravata normal de riscas, fala o facto de a substituir inesperadamente por uma gravata psicadélica, fala o facto de ir a reunião do conselho de administração sem gravata.»

Fato e gravata são justamente dois elementos que veiculam um sentimento de poder que resulta, segundo uma pesquisa conjunta em 2015 da Universidade do Estado da Califórnia e da Universidade Columbia, num processamento cognitivo mais abstrato: quem se veste assim evita decisões impulsivas, não leva as críticas para o lado pessoal, modifica o modo de abordar os colegas e as tarefas (o pensamento e mais amplo, menos focado nos detalhes) e até melhora o estado de espírito. Pelo contrário, roupas informais são as indicadas para quem trabalha com a realidade concreta da matemática, da engenharia e da ciência.

Outro estudo da própria Karen J. Pine implicou pôr os seus alunos a fazer exames dando a alguns deles camisolas de Super-Homem, enquanto outros vestiam camisolas azuis lisas e os restantes roupa normal. Conclusão: os super-homens achavam-se superiores e mais atraentes, além de jurarem que conseguiam levantar mais peso se lhes pedissem tal coisa.

Contas feitas a tudo, «vestir bem e ao mesmo tempo das tarefas mais fáceis e difíceis que existem», afirma a personal stylist Benedita Paes. Consiste simplesmente em respeitarmo-nos, mas nisso cabe a nossa personalidade, as formas do corpo, o tom de cabelo e pele, o emprego, o que fazemos, se somos solteiros ou pais a tempo inteiro.

«Tudo muda quando a nossa vida muda, inclusive a maneira de vestir.» Nunca podemos esquecer-nos de que estamos a vestir um corpo e não um tamanho, muito menos esquecer a nossa essência. «Não é vital seguir as tendências ou gastar uma fortuna em peças de qualidade. Claro que tudo é relativo, mas no final do dia o que interessa não é o que os outros pensaram e sim como nos sentimos», reforça. Se por acaso se olhar ao espelho e desgostar do que vê, já sabe: vista uma blusa de super-herói que isso passa.

Leia mais: Diz-me o que vestes, dir-te-ei quem és – Notícias Magazine http://www.noticiasmagazine.pt/2016/psicologiadamoda/#ixzz47FgB0FCa
Follow us: @NoticiasMagazin on Twitter | noticiasmagazine on Facebook

 

Desfile de Chocolate de Óbidos 2016

No Próximo sábado, a Fashion Studio está em Obidos!
Passagem de Modelos
16 Abril // 22h00 // Lagoa de Óbidos // Praia do Bom Sucesso

H20 é uma das fórmulas mais célebres e que serve de inspiração a figurinos que transfiguram os elementos da água, e dos ecossistemas dela dependentes, nesta mostra de moda.

Serão momentos de brilho e glamour que se irão refletir nas águas da Lagoa de Óbidos e onde o chocolate enriquecerá cada traço dos modelos desenhados por estilistas especialmente para este evento: A Deusa da Lagoa, coleção desenhada pelas alunas do curso de Fashion design da World Academy, orientadas por Teresa Samissone, Fluir como a Água por Marlene Oliveira e Marinheiros de Água Doce por Paulo Pereira. Apresentação Sandrina Francisco e participação especial de Lúcia Garcia e Ricardo Diniz.29008_10151497878294555_223907671_n

Inauguração

Editorial “The Ring”

Ficha técnica no fim do video

Editorial Criativo Transformers na FIL

Ficha técnica no fim do video

MamaAfrica By Neyma – desfile

Video BEEVERYCREATIVE sobre a MamaAfrica By Neyma

 

Catálogo MamaAfrica by Neyma

Fotografamos o catálogo do projecto MamaAfrica no fabuloso Koi Park, em Almada, com uma equipa super divertida e animada. As fotos refletem o lado alegre e extrovertido da marca, com muita cor!

Novidades da marca em breve!

Projecto da União de Exportadores da CPLP.
Fotografia: Bárbara Gomes
Make Up: Sara M. Make Up, Sara Castro Make Up, Patricia Ribeiro
Modelos: CláudiaSofia Brum, Erica e Violeta
Direcção Criativa: Sandrina Francisco
Acessórios e Sapatos: Paulo Jorge Pereira
Vestuário: Iris Apfel
Agradecimentos: José Elvas e Francisco Mendes (beeveryCreative), Craig Young e Neyma!

IMG_8916 IMG_8888 IMG_8865 IMG_8805 IMG_8774 IMG_8689novo IMG_8681-Recuperado IMG_8632 IMG_8596-Recuperado IMG_8525-Recuperado

Fotos desfile Burberry

11169067_10156274519525788_4730793051377213225_n 11254501_10156274514005788_3746471294866872612_n 12243056_10156274508520788_2414808589816316596_n 12246630_10156274519875788_2791034638729187042_n 12246956_10156274516335788_6558472475759834213_n 12249688_10156274515780788_8527379310057671722_n 12278663_10156274514105788_8775966615898490366_n 12295417_10156274514110788_5914000947491016936_n 12301696_10156274516290788_9022755273549082296_n 12308410_10156274517755788_7136228569214640777_n

Página 2 de 812345...Última »